aDORé

Quanto tempo cada humano pode suportar a dor, a mesma dor, digo? Creio que bastante. A melhor forma de dimensionar o quanto se pode aguentar em sofrimento é, possivelmente, após a sua passagem. Lembro-me do anjo da História, de Walter Benjamin (1987, p.226): Ele gostaria de deter-se para despertar os mortos e reunir os vencidos,… Leia mais aDORé

Não era o noticiário apitando tragédias

Quando no Rio de Janeiro, inebriada por conhecer pela primeira vez os documentos-monumentos existentes ali, na capital imperial que tanto estudei, pude ser tocada por uma realidade não tão distante de minhas páginas amareladas de pesquisa. Tenho investigado o passado para entender a trajetória do serviço público no Brasil. No caso da justiça, minha tese… Leia mais Não era o noticiário apitando tragédias

Impertinências

– Haverá muitas cadências para o encantamento? Em qual ritmo se propagará? Esperas pelo pulsar mais aterrador de sua baixa rotação, de todos modos. Mas, é real que esperas pelo esmaecimentos? Que louca! A esperar pelo desencanto. Ora, se sem feitiços pouco se sabe viver! Insana, insana. Nada mais tenho a dizer. E lá se foi,… Leia mais Impertinências